VENDAS PARA ENTREGA FUTURA

 

Quando se efetua uma venda e a mercadoria é colocada à disposição do comprador que, por mera conveniência, optou por recebê-la posteriormente, caracteriza-se a venda para entrega futura.

 

Existem alguns casos em que ocorre a emissão de nota fiscal por conta da encomenda de produtos ou serviços a serem entregues futuramente. Nessas situações, a receita de prestação de serviços deve ser contabilizada por ocasião de sua efetiva execução do serviço, enquanto a receita com a venda de mercadorias, deve ser reconhecida no momento da real entrega ao destinatário.

 

No caso de venda de mercadorias para entrega futura, o reconhecimento contábil de sua receita condiciona-se a dois pontos principais, sendo:

1) o estabelecimento vendedor deve estar de posse dos produtos comercializados, ou seja, eles já devem ter sido produzidos ou adquiridos; e

2) os estoques precisam ser segregados dos demais e colocados à disposição do cliente, pois não pertencem mais a empresa vendedora.

Efetuada a transação, o vendedor transforma-se em simples depositário das mercadorias que continuam em seu poder. No entanto, ele não é mais o efetivo proprietário da mercadoria, sendo assim, não existe nada que o impeça de efetuar normalmente o registro contábil da receita da transação, obedecendo ao princípio da competência.

Caso o vendedor ainda não possua os produtos transacionados, o que existe é somente o compromisso de produção ou compra e venda ou revenda a se concretizar. Neste caso a receita não pode ser reconhecida e adota-se o registro, para fins de controle, em contas de compensação ou então, alternativamente, registra-se o crédito pelo faturamento antecipado em conta do Ativo Circulante, tendo como contrapartida uma conta retificadora da conta de registro desse crédito, de modo que o efeito patrimonial seja nulo, conforme demonstrado a seguir:

D – Clientes - Vendas para Entrega Futura
C – (-) Faturamento para Entrega Futura

A conta “Faturamento para Entrega Futura” é redutora da conta “Clientes - Venda para Entrega Futura”; e serve somente para demonstrar o compromisso assumido e ainda não realizado, mais uma vez em observância ao regime de competência.

Pode ocorrer, ainda, uma situação na qual o vendedor receba um adiantamento sobre o faturamento antecipado. Nesse caso, o adiantamento também deve ser registrado em conta de “Adiantamentos de Clientes”, no Passivo Circulante por se tratar de uma obrigação (entrega da mercadoria) com o cliente.
 

Veja também o tópico Faturamento Antecipado.

 

Exemplo Geral:

 

Empresa efetua venda de R$ 50.000,00 em 11.09.2007, mas o comprador solicita que a mercadoria seja remetida somente em 01.10.2007. O custo das mercadorias é de R$ 20.000,00.

 

1) Pela venda em 11.09.2007:

 

D - Clientes (Ativo Circulante)

C – Vendas de Mercadorias (Conta de Resultado)

R$ 50.000,00

 

2) Pela segregação dos estoques relativos à venda efetuada em 11.09.2007, para entrega futura:

 

D – Estoques de Terceiros (Ativo Circulante)

C – Mercadorias de Terceiros em Depósito (Passivo Circulante)

R$ 20.000,00

 

3) Pela baixa dos estoques vendidos em 11.09.2007:

 

D – Custos das Mercadorias Vendidas (Conta de Resultado)

C - Estoques de Mercadorias (Ativo Circulante)

R$ 20.000,00

 

2) Em 01.10.2007, por ocasião da entrega das mercadorias ao cliente:

 

D – Mercadorias de Terceiros em Depósito (Passivo Circulante)

C - Estoques de Terceiros (Ativo Circulante)

R$ 20.000,00

 

Para maiores detalhamentos, acesse o tópico VENDAS PARA ENTREGA FUTURA, no Guia Contábil On Line.


Contabilidade | Publicações Contábeis | Exemplos | Dicas | Cursos | Temáticas | Normas Brasileiras Contabilidade | Glossário | Resoluções CFC | Guia Fiscal | Tributação | Simples Nacional | Modelos de Contratos | Balanço Patrimonial | Legislação Contábil | Programas | Revenda e Lucre | Administração Condomínio | Normas Legais | Boletim Contábil | Boletim Trabalhista | Boletim Tributário | Guia Trabalhista | Guia Tributário